Promundo realiza oficinas de escuta com comunidades quilombolas dos estados de Pernambuco e Maranhão

Promundo realiza oficinas de escuta com comunidades quilombolas dos estados de Pernambuco e Maranhão

Projeto visa compreender as realidades das comunidade e desenvolver melhorias no âmbito da saúde e da educação, principalmente no trabalho com as masculinidades e paternidades

O Promundo em parceria e articulação com instâncias da saúde e outras voltadas para a população negra do governo do estado do Maranhão, realizou oficina de escuta com comunidades quilombolas da região nos dias 12, 13 e 14 de abril. As comunidades de Samucangaua, Iririzal e Peroba, no município de Alcântara, receberam a equipe do Promundo para compreensão da realidade das comunidades quanto à saúde dessa população, especialmente a saúde dos homens e meninos quilombolas.

Anteriormente a esse encontro, ainda no mês de abril, o Promundo também havia visitado comunidades quilombolas no Pernambuco, com o mesmo intuito. Na ocasião, em parceria com a Coordenação de Saúde da População Negra e Coordenação da Saúde do Homem, desenvolveu oficinas de escuta com as comunidades de Castainho – no agreste pernambucano- e Conceição das Crioulas e Santana – no sertão de Pernambuco, entre os dias 8 e 10 de abril.

O projeto envolve o tema das masculinidades e paternidades. e, em conexão com esses temas principais, partir das informações partilhadas, foi possível também identificar elementos que vão auxiliar em uma análise sobre as relações de gênero e como elas impactam no cuidado com a saúde desses homens e dessa população com um todo. As oficinas foram realizadas com homens e mulheres adultos e idosos e com meninos e meninas adolescentes e jovens. 

A iniciativa abre possibilidade para que essa população possa ter atenção das políticas públicas e além disso, também vai ajudar na construção de um material que apoiará o Ministério da Saúde no âmbito da saúde do homem em comunidades quilombolas.

Abaixo, alguns registros dos encontros:

 

      

Imagens das comunidades quilombolas de Castainho, Conceição das Crioulas e Santana, no Pernambuco. 

   
   

Fotos das comunidades quilombolas de Samucangaua, Iririzal e Peroba, no Maranhão.

Aprendizado com as comunidades

O contato do Promundo com as comunidades quilombolas foi realizado a partir de uma premissa de cuidado e respeito com as suas culturas. Ouvi-las foi uma iniciativa de reconhecimento da autonomia delas e uma oportunidade de aprender com as suas visões de masculinidade, paternidade, relações de gênero, saúde, educação e cuidado. 

Sobre as experiências em ambos estados, destacamos alguns pontos. As comunidades possuem um senso de coletividade e político intenso, enfatizando a importância de cada pessoa para a construção desse coletivo. Várias delas são organizadas e lideradas por mulheres e as crianças são responsabilidade de cuidado de todos os adultos que vivem na comunidade. Esses vínculos sociais coletivos e a forma que essas pessoas têm de exercê-los  geram também um espaço equitativo de fala e expressão. Outro elemento forte nas identidades é a questão da territorialidade e do pertencimento sociocultural, que compõem junto também a ideia de racialidade. 

As comunidades vivem, sobretudo, da agricultura, da pesca e da construção. Um ponto importante observado foi a distância geográfica delas com relação aos centros e também entre elas, o que revela traços do processo de resistência histórica e necessidade de proteção de seus modos de vida. 

O projeto está em andamento e outras ações junto à população quilombola estão previstas, para compreender quais as necessidades dela, o que a distancia do acesso a saúde, cuidado e educação e pensar estratégias de aproximá-los a ela, respeitando seu contexto e cultura. Continue acessando nossas redes sociais e site para acompanhar os desdobramentos desse aprendizado junto aos quilombolas e os resultados desenvolvidos com essa experiência. Seguimos trabalhando por uma sociedade mais, inclusiva e representativa de sua diversidade! 

voltar ao índice