Homens do Oriente Médio e Norte da África estão em uma encruzilhada, revela estudo multinacional sobre a situação da equidade de gênero na região

No dia 2 de maio, o estudo multi-país conduzido por Promundo e ONU Mulheres no Oriente Médio e Norte da África – incluindo Egito, Marrocos, Líbano e Palestina – foi lançado em Beirute, no Líbano, como parte da conferência “Masculinidades no mundo árabe”, revelando a realidade da vida dos homens por trás das manchetes.

A Pesquisa Internacional sobre Homens e Equidade de Gênero no Oriente Médio e Norte da África (IMAGES MENA, na sigla em Inglês), produzida por Promundo e ONU Mulheres, em colaboração com parceiros locais de pesquisa, é o primeiro estudo do tipo e abrangência no Oriente Médio e Norte da África a ter um amplo olhar comparativo para a vida dos homens – como filhos, maridos e pais, em casa e no trabalho, na vida pública e privada – para entender melhor como eles veem suas posições como homens e suas atitudes e ações relacionadas à equidade de gênero.

Com a mesma importância, a pesquisa IMAGES fornece as perspectivas das mulheres sobre esses mesmos problemas. O estudo inclui pesquisas quantitativas e qualitativas com cerca de 10 mil homens e mulheres de 18 a 59 anos no Egito, Líbano, Marrocos e Palestina, incluindo áreas urbanas e rurais.

O estudo revela que, embora as atitudes tradicionais sobre equidade de gênero ainda dominem, pelo menos um quarto dos homens tem pontos de vista mais abertos e equitativos, apoiando a igualdade econômica, social e política das mulheres. As histórias pessoais, a influência familiar e as circunstâncias da vida estão entre os fatores que afetam o apoio dos homens à equidade de gênero. Geralmente, os homens com renda mais alta, com educação superior, cujas mães tiveram maior acesso à educação e cujos pais realizaram tarefas domésticas tradicionalmente vistas como femininas, são mais propensos a manter atitudes equitativas de gênero.

Os dados da pesquisa também revelam que, enquanto as mulheres jovens estão mostrando visões mais equitativas do que a geração mais velha, os homens mais jovens não têm, necessariamente, opiniões mais equitativas do que os homens mais velhos.

O estudo destaca o grande estresse na vida dos homens, que é o desafio de encontrar trabalho remunerado e cumprir o papel tradicionalmente visto como masculino de um provedor em tempos de incerteza econômica, particularmente nos países afetados por conflitos. Os efeitos dos conflitos e do desemprego foram frequentemente citados como razões ou fatores agravantes nos sintomas depressivos dos homens. Entre um terço e metade dos homens nos quatro países relataram ter vergonha diante de suas famílias por falta de trabalho ou renda.

A pesquisa também confirma descobertas internacionais sobre o ciclo intergeracional de violência: as experiências de violência na infância estão associadas ao uso da violência pelo homem na vida adulta. A violência gera violência nos quatro países. Os homens que testemunharam seus pais usando violência contra suas mães e os homens que vivenciaram alguma forma de violência em casa, quando crianças, foram significativamente mais propensos a relatar uso de violência entre parceiros íntimos em suas relações adultas.

Do lado positivo, há também evidências de ciclos intergeracionais de cuidado: embora muitas normas tradicionais prejudiciais sejam reforçadas em casa, os pais podem ter um papel poderoso na quebra das mesmas. Pais que encorajam as filhas a assumirem profissões não tradicionais ou a trabalharem fora de casa, ou que permitem que as filhas escolham seus maridos, parecem contribuir para o surgimento de mulheres mais empoderadas.

Gary Barker, presidente e CEO do Promundo e co-autor do estudo, comenta:

“Há um longo caminho a percorrer para que os homens aceitem plenamente e apoiem a equidade para as mulheres na região árabe, como em muitas partes do mundo. Em todos os quatro países, vemos que um dos maiores desvios da desigualdade de gênero é quando os homens assumem mais atividades na casa tipicamente definidas como papéis das mulheres.”

De fato, a pesquisa aponta para alguns caminhos fundamentais para a equidade, que giram particularmente em torno da paternidade envolvida: em todos os quatro países, os homens cujos pais participaram das tarefas domésticas e de cuidado, tradicionalmente vistas como femininas, bem como os homens que foram ensinados a realizarem essas tarefas quando crianças, eram muito mais propensos a relatarem participação nessas tarefas nos seus próprios casamentos.

Outro fator associado a comportamentos mais equitativos dos homens é o trabalho das mulheres fora do lar. Em dois dos países, os homens cujas esposas trabalhavam fora de casa eram mais propensos a realizar mais tarefas de cuidado não remuneradas. Em uma região onde apenas cerca de um quarto das mulheres trabalha fora do lar, isso aponta para o potencial de impacto duplo das políticas para aumentar o trabalho remunerado das mulheres.

Mohammad Naciri, Diretor Regional dos Países Árabes, da ONU Mulheres comentou:

“Para o nosso trabalho enquanto ONU Mulheres, este relatório é incrivelmente importante como ferramenta para nossos programas, nosso lobby e nossos esforços para trabalhar com os países membros, a sociedade civil e as comunidades. Os resultados, embora possam parecer turvos quando se olha puramente para os números, afirmam que também há verdadeiras histórias de campeões, de homens e mulheres que acreditam fortemente na equidade de gênero. Na verdade, este estudo é uma semente, e suas histórias se tornarão uma árvore de esperança e humanidade.”

Como visto nesse estudo e em muitos outros, os homens dominam ou controlam frequentemente a tomada de decisões domésticas, os espaços políticos e de liderança e as vidas diárias de mulheres e meninas. Essa pesquisa oferece uma perspectiva única sobre a situação das relações entre homens e mulheres na região do Oriente Médio e Norte da África, ajuda a entender melhor essas dinâmicas e, subsequentemente, a desenvolver e melhorar programas e políticas para enfrentá-las.

Baixe o relatório completo aqui (em inglês).

A Pesquisa Internacional sobre Homens e Equidade de Gênero – IMAGES, desenvolvida por Promundo e International Center for Research on Women (ICRW), é um dos estudos mais abrangentes sobre as práticas e atitudes dos homens em relação às normas de gênero, atitudes em relação a políticas para a equidade de gênero, dinâmicas domésticas, incluindo cuidados e envolvimento dos homens como pais, violência entre parceiros íntimos, saúde e estresse econômico. Até à data, foi implementada ou está em andamento em mais de 30 países em todo o mundo e faz parte de um esforço multi-país e de vários anos para construir base de evidências sobre equidade de gênero; sensibilizar formuladores de políticas e desenvolvedores de programas sobre a necessidade de envolver os homens nas questões de saúde, desenvolvimento e equidade de gênero; e integrar a equidade de gênero enquanto tema nas instituições e políticas públicas. Saiba mais sobre IMAGES globalmente aqui.

voltar ao índice