Não é curtição, é exploração sexual contra crianças e adolescentes

Pesquisa

Esta campanha foi inspirada pela pesquisa realizada pelo Promundo no Brasil, cujos resultados foram publicados no estudo Homens, Mulheres e a Exploração Sexual e Comercial de Crianças e Adolescentes em quatro cidades brasileiras. Esta pesquisa revela a falta de reconhecimento da exploração sexual de crianças e adolescentes enquanto crime, bem como as associações fortes entre noções rígidas de masculinidade e o pagamento por sexo com adolescentes.

Campanhas

“Não é curtição! É exploração sexual contra crianças e adolescentes” foi lançada durante a Copa do Mundo de 2014, sediada no Brasil, com o objetivo de promover a reflexão entre os homens brasileiros e turistas do sexo masculino sobre a vulnerabilidade de crianças e adolescentes face à exploração sexual durante e depois dos mega eventos desportivos

 

O Promundo lançou a campanha “Não é curtição! É exploração sexual contra crianças e adolescentes” para sensibilizar a opinião pública e prevenir a exploração sexual comercial de crianças e adolescentes no Brasil, lançando a iniciativa durante a Copa do Mundo de 2014.

As mensagens da campanha foram inspiradas pela pesquisa realizada por Promundo e sublinham a naturalização de comportamentos masculinos no que se refere à exploração sexual de crianças e adolescentes, incluindo a ideia de culpabilização das crianças e adolescentes que se encontram vulneráveis a esta situação. A campanha foi lançada nas 12 cidades sede da Copa do Mundo de 2014 (Belo Horizonte, Brasília, Cuiabá, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Natal, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo), cinco das quais lideram o ranking nacional de exploração sexual comercial de crianças e adolescentes. As atividades de lançamento incluíram a distribuição de guias e materiais informativos em pontos turísticos e próximos aos estádios; a fixação dos posters da campanha em bares, hotéis e no Metrô-Rio, exibição de vídeos em televisões de empresas e a criação de um site da campanha.

O lançamento da campanha durante a Copa do Mundo foi uma escolha estratégica, baseada na vulnerabilidade acrescida a que crianças e adolescentes estão sujeitos em virtude do grande fluxo de turistas durante o evento esportivo. “Não é curtição, é exploração sexual contra crianças e adolescentes” desafia os homens a reconhecer a exploração sexual como crime e apela para que usem a sua influência sobre outros homens para a prevenção da exploração sexual. “Não é curtição, é exploração sexual contra crianças e adolescentes” pretende ter efeitos para além da Copa do Mundo, quando as situações de exploração continuam presentes, mas, em virtude da falta de atenção global, se tornam mais invisíveis e, portanto, mais difíceis de combater.

A campanha conta com o financiamento da Fundação Oak, da Fundação Bernard van Leer e com o apoio das organizações parceiras do Promundo.

Para conhecer mais sobre a campanha e acessar os materiais acesse: www.contraexploracaosexual.org.br

Programas relacionados:

  • Criança sujeito de direitos: Promove a sensibilização de pais e cuidadores no que diz respeito aos direitos das crianças e às consequências e danos dos castigos físicos e humilhantes nas vidas das crianças.
  • Programa H:Dirigido a homens jovens, o Programa H encoraja a reflexão sobre normas rígidas associadas à masculinidade e promove a transformação de atitudes relacionadas a gênero que produzem inequidades.
  • Programa M: Dirigido a mulheres, o Programa M centra-se na promoção de papéis equitativos de gênero, no empoderamento feminino, na promoção da saúde sexual e saúde reprodutiva e na promoção da maternidade e do cuidado.