Pesquisa formativa em Kinshasa investiga como as normas de gênero influenciam o recrutamento de gangues de rua

Participantes do lançamento da atividades da pesquisa formativa em Kinshasa

O Promundo iniciou uma pesquisa formativa em outubro de 2016 para dar base ao desenvolvimento de um novo projeto de quatro anos, o Clube de Homens Jovens contra a Violência (YMCAV, na sigla em Inglês), que trabalhará para prevenir a violência urbana praticada pelas quadrilhas locais, conhecidas como “Kulunas”, em Kinshasa, República Democrática do Congo (RDC).

Conduzido por Promundo e sua filial na RDC, o Instituto Living Peace, o YMCAV terá como objetivo reduzir a violência nas ruas, contribuindo para prevenir que jovens de 10 a 19 anos entrem nos Kulunas, ou ajudando-os a sairem dessas gangues, que estão afetando cada vez mais os municípios Kintambo, Bumbu e Makala, de Kinshasa. Para fundamentar essa abordagem, a pesquisa visa compreender melhor como as normas relacionadas a masculinidades estão ligadas ao fenômeno de jovens entrando nos Kulunas.

O projeto utilizará os resultados de sua pesquisa formativa para desenvolver uma educação em grupo transformativa de gênero para jovens, que buscará desafiá-los a redefinir o que significa ser homem; criar ambientes de apoio nas escolas e nos centros de juventude; e expandir o apoio a programas e políticas de outras partes interessadas congolesas. Essas atividades serão complementadas por iniciativas de incidência política (advocacy) voltadas para instituições-chave, incluindo a polícia, para integrar e replicar essa metodologia baseada em evidências como uma prática recomendada na prevenção da violência urbana.

Especificamente, a pesquisa formativa do Promundo investiga:

  1. Como reduzir as normas de apoio à violência, aumentar a auto-eficácia e promover atitudes e comportamentos de gênero igualitários entre os jovens de 10 a 19 anos nos três municípios que serão trabalhados em Kinshasa;
  1. Como efetivamente criar ambientes nas escolas e nos centros comunitários para jovens que impedem seu envolvimento em grupos violentos; e
  1. Como expandir o apoio a programas e políticas sustentáveis de organizações não-governamentais (ONGs), escolas, instituições e ministérios relevantes na RDC para a prevenção e resposta ao recrutamento e participação de homens jovens em grupos violentos.

Uma reunião técnica no início de outubro de 2016 lançou formalmente o processo de pesquisa formativa, reunindo representantes do gabinete governamental de Kinshasa; o Ministério das Mulheres, Famílias e Crianças da província; o Ministério da Educação Primária e Secundária e da Nova Cidadania da província; os três governos locais dos municípios que serão trabalhados; a equipe de pesquisa; parceiros de implementação; e equipe do Promundo.

Após a reunião, a equipe de pesquisa recebeu treinamento em gênero e masculinidades, violência sexual e de gênero, ética e confidencialidade da pesquisa e técnicas de pesquisa qualitativa. A equipe coletou dados, por meio de discussões em grupos focais e entrevistas em profundidade, de um total de 168 indivíduos, incluindo jovens, pais, lideranças escolares, autoridades locais e líderes religiosos. A análise das conclusões foi realizada no final de 2016.

O projeto Clubes de Homens Jovens Contra a Violência está sendo implementado em parceria com as seguintes organizações: Rede de Educadores de Crianças e Jovens de Rua da República Democrática do Congo (REEJER, na sigla em Francês), uma rede congolesa de ONGs que trabalham com crianças de rua; Ajuda às Crianças Desfavorecidos (AED, na sigla em Francês), um importante centro juvenil que trabalha com crianças de rua em Kinshasa; e Coalizão Nacional de Educação para Todos (CONEPT, na sigla em Francês), uma rede de educadores no sistema escolar da RDC.

voltar ao índice